Para você criar coragem e ganhar o mundo…

Dicas para economizar na viagem em tempos de dólar nas alturas
08/03/2015
Dica de bar descolado em Copacabana
25/04/2015

Carro com cheirinho de novo, sapatos e bolsas da última coleção, um sofá assinado que vai ficar incrível na sua sala, uma jóia que vai matar as amigas de inveja… Comprar o que a gente deseja é um dos caminhos mais fáceis para alcançar a felicidade (será?). Todos sabemos que comprar um chocolate especial, um sapato matador, um vestido novo ativa em nosso cérebro mecanismos químicos de recompensa. Dá prazer. É muito bom. O problema é que a felicidade do consumo acaba logo. Do jeito que vem, vai embora.

Pesquisas indicam que investir o dinheiro em “experiências” aumenta muito as chances de levar uma vida mais feliz e mais compensadora; que gastar nosso dinheiro com experiências (e não com produtos) gera uma sensação de felicidade muito mais intensa e mais duradoura também. Ou seja, ao invés de comprar um sapato caro, ofereça um jantar bacana a si mesmo. No lugar do carro novo, que tal aquela viagem dos sonhos? E por que não voar de balão na Capadócia (ou na Chapada Diamantina) justamente para testar seus nervos? É por aí…

Um estudo americano intitulado To do or to have, feito pela Universidade do Colorado, mostrou que o arrependimento causado pelas experiências que fazemos é infinitamente menor do que aquele causado pelas coisas que compramos. O arrependimento gerado por gastos com experiências além de não ser passageiro, ainda é diferenciado. Consumidores em geral se arrependem três vezes mais das roupas que compraram do que das aventuras que viveram.

E mais: não é preciso ter dinheiro para escolher experiências bacanas em sua vida. Atividades cotidianas, coisas simples como reunir os amigos na base do “cada um traz o que for beber” podem se tornar momentos memoráveis que você vai guardar para o resto da vida. Ou então, juntar a família para pedalar numa manhã de domingo; fazer um trabalho voluntário durante as férias; ou, ainda, mergulhar no mar de Galápagos e, quem sabe, passar três dias em Jeri, com o pé na areia, na base do mochilão. Cada um de nós tem um sonho na cabeça e todos podemos realizá-los. Basta querer. Basta escolher. Basta desapegar.

Agora, vou falar rapidamente da nossa própria experiência, minha e do meu marido. Trabalhamos durante mais de 30 anos em um grande banco brasileiro, tínhamos a vida estressante que quase todo mundo tem: acordar, sair correndo, pegar trânsito, trabalhar, decidir, reunir, engolir, voltar ao trabalho, chegar em casa tarde, tomar banho, dormir. Com algumas variações, era mais ou menos isso. Decidimos aposentar. Os amigos gritaram: “Como? Vocês não vão aguentar! Vão morrer cedo! Vocês estão no auge da sua capacidade produtiva! O dinheiro vai diminuir!”. Pagamos pra ver. Reorganizamos a vida em outras bases. Priorizamos o que de fato era importante. Mantivemos nossos corpos e nossas mentes ocupados. Continuamos a acordar cedo, a nos exercitar, a reunir os amigos. Voltamos a ler, a escrever, a estudar. Criamos o blog. Saímos pelo mundo. Passamos seis meses na Califórnia. Conhecemos inúmeros outros países, dispensamos mais tempo para quem precisa da nossa companhia. E estamos aqui encorajando outras pessoas a realizar seus sonhos, felizes, sem pressa, como deve ser.

Experimente! Crie experiências em sua vida e depois conte pra gente!

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prove que você é um ser humano! * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.