Galápagos: como vamos chegar lá

Quer mandar uma mensagem original para alguém do outro lado do mundo?
09/03/2014
Quer ver lindas fotos de Lima, no Peru?
13/03/2014

Galápagos: como vamos chegar lá

Para os amigos que como nós pensam em se aventurar até o arquipélago de Galápagos, fica a dica do nosso roteiro, que não é o mais curto, nem o mais em conta, porém é o que nos convém neste momento:

Nossa primeira parada será em São Paulo, por razões de caráter pessoal e também porque há mais opções de voos de lá para Lima, no Peru, a segunda escala. A gente mora em Brasília, então, quase sempre temos que ir até São Paulo mesmo, onde a oferta de voos para o resto do mundo é muito maior. Claro que isso torna a viagem mais cansativa, mais cara e mais demorada, mas como esse nosso Brasil é continental, a maioria dos mortais tem que fazer mais esse passo, antes de tomar um voo internacional.

A parada em Lima é estratégica: a gente adora aquela cidade, seu povo hospitaleiro, isso sem falar da gastronomia (que é a melhor da América do Sul, comprovadamente) –  e da paisagem, com os Andes ao fundo. Então, claro que Lima está no roteiro, na ida e na volta.

Depois de uma noite em Lima, seguiremos até Guayaquil, já em território equatoriano, em voo da Taca Airlines, uma companhia local que vamos experimentar pela primeira vez. A parada em Guayaquil já é uma questão de logística: os voos para Galápagos partem sempre de Guayaquil ou de Quito, todos pela manhã cedo, devido às condições meteorológicas. A gente escolheu partir de Guayaquil porque é o ponto mais próximo das ilhas (cerca de 1.000 Km), o que significa menos tempo de voo sobre o oceano em direção ao arquipélago:  1h40min a 2h de voo até a ilha de Baltra, onde vamos desembarcar. Nessa etapa da viagem (Guayaquil/Galápagos)  faremos mais uma experiência com outra companhia aérea local, chamada Tame, que também não conhecemos. De qualquer maneira, nessas alturas do campeonato, digo, da aventura, nosso destino já estará literalmente entregue aos Céus, seja lá o que isso queira dizer.

Pensou que acabou? Não acabou. Ainda tem a travessia da ilha de Baltra até Puerto Ayora (onde vamos ficar) e um trecho de busão, que é pra fechar com chave de ouro. É o tal negócio, tá na chuva, digo, na aventura, tem que encarar!

Contamos com os votos de boa sorte e boa viagem dos amigos que nos acompanham!

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prove que você é um ser humano! * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.