A casa onde viveu Anne Frank durante a Segunda Guerra Mundial

Vondelpark, um oásis no meio da cidade
29/12/2013
O Marrocos é alaranjado…
05/01/2014

A casa onde viveu Anne Frank durante a Segunda Guerra Mundial

Apenas para contextualizar:  Anne Frank foi uma adolescente judia de 13 anos que recebeu como presente de aniversário de seu pai um diário. Ela, como toda a família, morava em Amsterdã, no início dos anos 40. Logo após ganhar o diário, os nazistas invadiram a Holanda e passaram a mandar os judeus para os campos de concentração, mas quando recebeu uma intimação dos nazistas o pai de Anne decidiu esconder toda a família na tentativa de escapar do domínio alemão.

Assim, eles fingiram ter ido para outro país, quando na verdade passaram a morar num anexo escondido atrás da empresa do pai, local onde hoje está o museu-casa de Anne Frank. Viveram lá a família dela e mais algumas pessoas, durante dois anos, sem ver a luz do sol um único dia, sem fazer barulho, compartilhando um único banheiro, em total confinamento, até que foram descobertos por causa de uma denúncia, sabe-se lá de quem.  Todos foram enviados para os campos de concentração onde morreram, exceto o pai de Anne.

Quando a guerra acabou (dois meses depois da Anne Frank morrer), o pai voltou a Amsterdã e só então descobriu que a filha manteve um diário durante toda a experiência. Ele editou e publicou o diário da filha, que acabou virando um best-seller e ela uma espécie de heroína nacional holandesa.

A visita ao local é deprimente e triste, mas necessária para que nenhum de nós esqueça os horrores da guerra que tivemos a sorte de não vivenciar de perto. Nosso conselho é: arme-se de coragem e vá, porque não dá pra fingir que isso não aconteceu.

Sitehttp://www.annefrank.org/
Endereço: Prinsengracht 267
Horários: De julho a agosto, diariamente das 9h00 às 22h00. De 15 setembro até 14 de março, diariamente das 9h00 às 19h00. De 15 de março até 14 de setembro de domingo à sexta das 9h00 às 21h00 e de sábado das 9h00 às 22h00.

 

Share

2 Comentários

  1. jardel bruno disse:

    A primeira vez que tive contato com a história lamentável de Anne frank, logo fiquei muito admirado.É tão surpreendente que parece até uma criativa obra fictícia de drama;aliás, quem dera que o fosse.Anne Frank,através do seu diário, foi mais uma capaz de reforçar o fato de que não se precisa de muita coisa para gozar da verdadeira liberdade, a qual está dentro da mente de cada pessoa e que,tampouco, poderá ser subtraída ou tirada de ninguém,muito embora,confinados fisicamente e sofrendo situações adversas.Foi,portanto,este ensinamento inspirador e lindo,legado por Anne Frank, que criou em mim uma vontade grande de ,qualquer dia desses,ter o prazer de conhecer o local onde viveu esta pessoa,quase fictícia,seus últimos dias marcados por dramas,mas também muitas superações.

    • BGHH disse:

      Realmente, a história incrível de Anne Frank nos toca para sempre. Foi bem sofrido estar lá, sentir na pele o sufoco que foram seus dias ali, juro que fiquei mal durante alguns dias. Mas, é a história e ela nos ensina muito, não podemos fugir dela. Espero que consiga realizar seu sonho de ir até lá, pois vale muito a pena. É marcante e inesquecível… Obrigada por visitar o nosso blog! Volte sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prove que você é um ser humano! * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.