10 coisas que você precisa saber antes de visitar a Rússia

Rússia: a barreira do idioma é só um detalhe!
15/10/2018

10 coisas que você precisa saber antes de visitar a Rússia

Listamos 10 coisinhas que é legal ficar sabendo antes de ir à Rússia e resolvemos dividir com vocês. Esperamos que ajudem, especialmente os marinheiros de primeira viagem, como nós, chegando àquele destino incrível! Não se importe com os “perrengues”, vá assim mesmo, porque vale muito a pena conhecer aquele país lindo e tão cheio de história!

Segue a nosso listinha…

  1. Os russos são simpáticos e gentis. Aparentemente são bem sérios, mas se você puxar conversa (coisa difícil por causa do idioma) e se precisar de ajuda, com certeza poderá contar com a boa vontade deles!
  2. Quase ninguém fala inglês na Rússia, mesmo nos lugares turísticos como aeroportos e estações de trem. Sugerimos aprender algumas palavras básicas em russo e conhecer um pouco do alfabeto cirílico para tentar ler placas e avisos. Os únicos lugares onde conseguimos alguém para falar inglês foi nos hotéis em que nos hospedamos e nos restaurantes mais caros, e assim mesmo, apenas alguns funcionários, não todos.

Dica – o Google Tradutor ajuda muito, porque além de traduzir o que você necessita, ainda traz a pronúncia. De qualquer forma, vá preparado para passar alguns perrengues (nós passamos!)

Isso aí, na foto acima, é uma estação de metrô. São mais de 200 estações, com absolutamente tudo escrito no alfabeto cirílico, um negócio indecifrável para nós. Dá vontade de sentar e chorar…

 

Em compensação, se você conseguir chegar até lá, vai se deparar com coisas assim e até mais bonitas, nas estações do metrô. É de cair o queixo, viu! Obras de arte, pisos em mármore raro, esculturas, lustres, bonito mesmo! Vale muito se arriscar por lá!

  1. O clima é frio, na maior parte do ano em toda a Rússia. Vá preparado.
  2. O Uber funciona por lá, mas de forma ainda precária. Se você estiver em um lugar amplo como um aeroporto ou estação de trem fica muito difícil saber onde o motorista vai parar para apanhá-lo. E não adianta perguntar a ninguém, muito menos ao próprio motorista, porque eles não falam nem entendem uma palavra de inglês. É bem complicado.
  3. Evite os taxistas, tente andar de metrô. Na estação de trem de Moscou vimos abertamente um grupo de motoristas de táxi adulterando as placas dos carros com fita isolante e em seguida nos oferecendo uma corrida. Estava muito frio, anoitecendo e o Uber não chegava nunca, mas resistimos bravamente e não aceitamos a oferta. Eles se juntavam e vinham em bando, de forma ostensiva, falando em russo, grosseiramente. Mas a gente não entrou. Soubemos de casos em que o taxista combinou o preço de uma corrida e ao final cobrou o dobro. Quando os passageiros se recusaram a pagar o motorista puxou uma arma e os ameaçou. Então, táxi, nem pensar! É uma ameaça real. Não use!
  4. Tirando a parte dos taxistas, Moscou e São Petersburgo são cidades seguras. Não nos sentimos ameaçados, nem vimos batedores de carteira, como nos avisaram que veríamos. Andamos à pé durante a noite pelas ruas, sem problema algum. Nosso conselho é o mesmo que damos aos turistas que vêm ao Brasil: só carregar o essencial, sempre no bolso da frente ou em uma bolsa pequena, dessas que ficam coladas ao corpo. Passaporte, deixe no hotel. Mochilas com valores, não!
  5. Não deixe de visitar: a Praça Vermelha (e suas catedrais incríveis), o Kremlin e o prédio do balé Bolshoi (mesmo que seu bolso não permita comprar ingresso para os espetáculos (que são caros!), mas vá até lá e, com sorte, você consegue assistir um ensaio. E veja também o Peterhoff ( a casa de verão dos antigos czares russos), o Museu Hermitage (2 dias, ao menos), em São Petersburgo. 

  1. 8. A vigilância na Rússia é bem ostensiva. Em alguns shoppings, em Moscou, nos deparamos com aparelhos de RaioX ou detectores de metal, logo na entrada. Nas estações de trem sentimos fortemente a presença da polícia, com cara de poucos amigos e até gritando com os passageiros durante a passagem pelo Raio-X. A dureza da imigração americana é fichinha! E por falar em imigração, não se assuste. Eles vão examinar seu passaporte umas dez vezes, folha a folha. Vão e voltam! Vão olhar sua foto minuciosamente e conferir, a cada vez, olhando para o seu rosto. É constrangedor.

9. Os preços são caros como em qualquer grande cidade do mundo. Embora a moeda seja o Rublo e o Real valha cerca de 16 Rublos, os preços são caros na Rússia. Qualquer lanchinho sai tranquilamente por mil rublos. Cartões de crédito são bem aceitos por lá, embora a gente tenha lido informações de que eles não são aceitos. Não tivemos problema algum em pagar quase tudo com o cartão.

10. A comida é diferente, mas gostosa. Mas o strogonoff que a gente come por aqui é muito mais saboroso do que o original, que a gente não gostou. Na foto, isso não é o strogonoff, tá?

A lição que ficou:

  1. Melhor contratar um guia ou um transfer para a chegada e saída do país. Não é fácil chegar ao hotel sem um apoio.
  2. Se o seu bolso permitir, fique em um hotel melhor. Isso faz muita diferença na hora de falar e receber orientações em inglês.
  3. A Rússia, apesar de todos os pequenos problemas, vale muito a pena, por sua beleza estonteante, por sua história incrível, pelos parques, pelos monumentos, por tudo. A gente recomenda! Ah! E vamos fazer posts sobre os lugares citados aqui, um de cada vez, com todos os detalhes!
Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prove que você é um ser humano! * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.